Organização da Geladeira de Vacinas: Saiba Como Garantir o Controle de Qualidade

A organização da geladeira de vacinas é fundamental para garantir a eficácia e segurança das vacinas. A conservação de imunobiológicos em nível local apresenta riscos que podem colocar em risco a efetividade da imunização em países em desenvolvimento e nos desenvolvidos também.  

As geladeiras para vacinas são equipamentos de uso doméstico utilizadas na rede de frio e utilizadas para estocagem de vacinas em temperatura positivas a +2°C. O ideal é que a temperatura esteja entre +2°C e +8°C, sem sofrer perda de potência no armazenamento. 

Regras importantes do PNI

Existem algumas normas que devem ser seguidas, conforme orientação do PNI (Programa Nacional de Imunizações), do Manual da Rede Frio para correta conservação das vacinas nas geladeiras. As orientações principais são:

  • Colocar gelo reciclável no congelador na posição vertical (isso contribui para aumentar lentamente a temperatura, protegendo os imunobiológicos em caso de queda de energia elétrica ou defeito do equipamento)
  • Colocar vacinas que podem ser congeladas (poliomielite, sarampo, febre amarela, rubéola, tríplice viral) na primeira prateleira em bandejas perfuradas para permitir circulação do ar. 
  • Colocar na segunda prateleira vacinas que não podem ser congeladas (dT, DTP, Hepatite B, Hib, influenza, TT e BCG) também em bandejas perfuradas.
  • Colocar na terceira prateleira os soros, diluentes e caixas com vacinas bacterianas conservadas entre +2°C e +8°C
  • Colocar o termômetro de máxima e mínima na posição vertical logo ao centro da segunda prateleira
  • Retirar as gavetas da parte inferior debaixo da geladeira e colocar garrafas de água colorida para manter estável a temperatura do interior. As garrafas devem ser tampadas, pois o processo de evaporação acelera formação de gelo. 
  • A porta do congelador e a bandeja coletora deverão ser mantidas. Não devem ser usadas bobinas de gelo reciclável como substitutas das garrafas.
  • Deve-se também manter afixado na porta aviso para que ela não seja aberta fora do horário de retirada e/ou guarda das vacinas
  • Instalar em local arejado, longe de fontes de calor e de incidência solar direta, em ambiente climatizado e devidamente nivelado.
  • Suporte com rodas na base da geladeira. 
  • Não colocar nada na geladeira que obstrua a circulação de ar. 

Além disso, a organização da geladeira de vacinas também exige outros cuidados importantes como leitura do termômetro interno do refrigerador no início e final da jornada e registro da temperatura, uso de tomada específica para a geladeira, instalação da geladeira longe das fontes de calor e a 20 cm da parede, não colocar qualquer produto na porta da geladeira, fazer o degelo a cada 15 dias, manter a porta vedada. 

O que prejudica a refrigeração da geladeira?

Equipamentos indevidamente mantidos, falta de monitoramento da temperatura e dos danos causados pelas oscilações de temperatura podem levar a problemas na manutenção da refrigeração.

A organização da geladeira de vacinas tem tudo a ver com a qualidade e correta manutenção das vacinas, de modo que elas não sofram interferência do ambiente e sejam mantidas em perfeito estado para uso. Trata-se de uma questão de segurança e eficácia das vacinas.

Internet das Coisas e organização da geladeira de vacinas

Sabemos que as vacinas não podem sofrer com interferências de temperatura, por isso que ter um software ou sistema de monitoramento de vacinas é essencial para garantir a qualidade dos seus produtos. 

O I-Vigilant é uma solução da Internet das Coisas que monitora e controla a temperatura das geladeiras. Qualquer problema ele notifica diretamente via SMS, What’s App ou e-mail. Relatórios estão disponíveis em tempo real para acompanhamento. Trata-se de uma solução revolucionária que surgiu para facilitar o dia a dia da equipe médica e também para garantir o bem estar dos pacientes, reduzindo riscos.

Saiba mais sobre monitoramento do material hospitalar

Conscientização da equipe médica

Não basta apenas adquirir tecnologia de ponta se a equipe médica não estiver consciente da importância do monitoramento. Deve ser feito um reforço na informação e na formação dos responsáveis pela vacinação para que sigam corretamente as regras e estejam preparados para monitorar a temperatura e realizar a organização da geladeira de vacinas de maneira adequada. 

Em algumas pesquisas realizadas em alguns países como na Bolívia, por exemplo, verificou-se que os profissionais de saúde responsáveis pela imunização apresentaram baixo conhecimento sobre as consequências de congelamento de alguns tipos de vacinas. 

No Brasil também não é diferente, aqui também foram verificadas falhas no cumprimento das recomendações de conservação de vacinas. Veja também sobre a importância do monitoramento do gás medicinal nos hospitais. 

Problemas mais comuns nos hospitais e centros de saúde

O Ministério da Saúde pressupõe um conjunto de medidas com o objetivo de manter estável a temperatura no interior da geladeira. Conforme mencionado, os refrigeradores devem ser usados para uso exclusivo de armazenamento de imunobiológicos, para que não haja nenhum tipo de contaminação.

Isso acontece porque os imunobiológicos são produtos termolábeis e termossensíveis. O fato da geladeira ser aberta muitas vezes, por diferentes profissionais  sem conhecimento da temperatura pode levar a uma série de problemas.

É também recorrente encontrar as vacinas dispostas em locais equivocados, inadequadamente. É indispensável a leitura da temperatura em pelo menos dois momentos diferentes do dia, registrando os valores encontrados em mapas de controle diário de temperatura. Os profissionais podem se organizar e realizar a leitura uma vez no começo do dia e outra ao final do dia. 

O que costuma acontecer também de forma corriqueira é a negligência na limpeza e degelo da geladeira. Essa é uma conduta técnica importante e essencial para manter as condições ideais das vacinas. Como já mencionado, a cada 15 dias deve ser feita o degelo ou quando ele atingir 0,5 cm. 

O monitoramento da temperatura das caixas térmicas é justificado pelo fato das bobinas de gelo funcionarem como uma espécie de receptor de calor. Quando o calor é transferido para o gelo, ele começa a derreter e necessitará de uma nova troca de bobinas. A equipe de enfermagem, responsável pelo monitoramento, deve receber treinamento especial e supervisão constante para manter o cumprimento das recomendações na manutenção da cadeia de frio. 

Leia também sobre monitoramento de produtos farmacêuticos

Como limpar corretamente as geladeiras

Toda vez que for realizar a limpeza de uma geladeira deve-se seguir esses passos:

  1. Ter uma caixa térmica com bobinas de gelo reutilizável para colocar os imunobiológicos da geladeira. A temperatura deve estar entre +2°C e +8°C. 
  2. Lembre-se de vedar as caixas com fita adesiva larga.
  3. Não mexer no termostato
  4. Desligar a tomada e abrir a porta da geladeira e congelador para que o gelo derreta. Evite usar objetos pontiagudos para agilizar a remoção.
  5. Limpe tanto interna quanto externamente com pano umedecido com água e sabão neutro. 
  6. Nunca jogue água no interior da geladeira. 
  7. Em seguida ligue a geladeira, recoloque o termômetro, garrafas e bobinas.
  8. Feche a porta e deixe assim até alcançar a temperatura ideal. 
  9. Ao chegar na temperatura reorganiza as vacinas. 

Você tem consciência sobre as regras e exigências de monitoramento de vacinas? O que pensa sobre isso? 

Fontes: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/181

https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/enfermagem/refrigeradores-ou-geladeiras/27828

[avs_toc]

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *