Dispositivos de IoT nos Hospitais

A Internet das Coisas já mudou o mundo. Isso influencia tanto a maneira como vivemos quanto nosso trabalho que são impactados por dispositivos de IoT que utilizamos. É comum vermos uma ampla variedade de gadgets, wearables e smartphones conectados a recursos e sensores de Wi-Fi. Todos esses aspectos abriram caminho para a IoT na vida cotidiana das pessoas e em vários setores da economia, incluindo saúde

Embora outras indústrias tenham adotado dispositivos conectados ao IoT mais rapidamente, os profissionais de saúde observam essa tendência de perto, o que pode tornar seu trabalho mais conveniente, eficiente e automatizado no futuro. O Business Insider previu o crescimento de dispositivos de IoT de saúde de aproximadamente 95 milhões em 2015 para 646 milhões em 2020. Esse número é muito expressivo e não deve ser ignorado pelos hospitais. 

O que é a Internet das Coisas? 

Ser capaz de conectar coisas à Internet tem sido uma revolução em nossas vidas. Um primeiro exemplo são os telefones celulares. Lembramos da época em que um celular não era um smartphone, ou seja, ele só permitia ligar e mandar sms e agora, você pode ver filmes, ouvir música e até ler livros. 

Graças a esta conexão com a Internet, esses dispositivos podem adquirir novos benefícios. Assim, o conceito de Internet das Coisas pode ser resumido de forma bastante simples: significa conectar todas as coisas e lugares do mundo à Internet.

No entanto, uma distinção deve ser feita entre a IoT do consumidor e a IoT corporativa. A IoT do consumidor se refere a objetos como wearables (relógios conectados, smartphones) ou assistentes de voz (Google, Alexa da Amazon) que colocam o consumidor no centro de suas funções. Em vez disso, o uso da IoT corporativa pode levar à melhoria dos sistemas e processos existentes para fornecer ganhos operacionais e financeiros.

Quando surgiu? 

A verdadeira revolução na área de saúde eletrônica começou nos Estados Unidos após a criação da legislação da Lei de Tecnologia da Informação para Saúde Econômica e Clínica (HITECH Act) em 2009 para estimular a adoção de registros eletrônicos de saúde (EHR) e tecnologia de apoio.

Então, a tecnologia permitiu que os pacientes se envolvessem no tratamento, pois podiam acessar seus registros médicos, se preparar para consultas e entrar em contato com seus médicos. 

Os sistemas de monitoramento remoto também permitem que os pacientes e enfermeiros/cuidadores acompanhem a saúde individual em tempo real enquanto os pacientes ficam em casa, o que é extremamente benéfico para pacientes com doenças crônicas e idosos.

A próxima etapa parece óbvia – o IoT permitirá que dispositivos eletrônicos que capturem ou monitorem dados se conectem a uma nuvem privada ou pública para que esses dispositivos possam acionar automaticamente certos eventos. 

Dados os vários dispositivos inteligentes na área de saúde, como termômetros, analisadores de gases no sangue, medidores de glicose, camas inteligentes, máquinas móveis de raio-X, unidades de ultrassom, sistema de monitoramento hospitalar, dentre outras, a IoT na área de saúde pode transformar o atendimento ao paciente.

A IoT nos hospitais se tornou um mercado com muito potencial, e os gigantes de TI já correram para oferecer soluções nesse setor. De acordo com um relatório divulgado recentemente pela Grand View Research, os dispositivos IoT globais no mercado de saúde foram avaliados em US $ 58,4 bilhões em 2014 e, em 2020, valerão quase US $ 410 bilhões. 

Grandes empresas, como Medtronic Inc., Philips, Cisco Systems, IBM Corporation, GE Healthcare e Microsoft Corporation, desenvolvem produtos para aplicações médicas especiais.

Por exemplo, a Microsoft construiu a plataforma Microsoft Azure para entrega de serviços de saúde baseada na nuvem. Existem também inúmeras startups nesta área, como Connected Health, EarlySense, Proteus Digital Health e Awarepoint, para citar algumas. Além dos desenvolvimentos tecnológicos, existem outros fatores que facilitam o crescimento da Internet das Coisas na área da saúde.

Um deles é a crescente prevalência de doenças crônicas (insuficiência cardíaca, obesidade, diabetes, etc) e o envelhecimento da população propensa a várias doenças crônicas. 

Outro fator é o desenvolvimento econômico constante e os governos interessados ​​em usar soluções digitais de saúde para melhorar o acesso aos serviços de saúde e diminuir os custos com cuidados.

Dispositivos de IoT Mais Comuns nos Hospitais 

Dispositivos médicos usados ​​para várias aplicações de saúde podem ser subdivididos em 3 grupos principais:

1- Dispositivos de IoT externos 

Normalmente, são biossensores que monitoram dados fisiológicos com comunicação remota / sem fio que podem ser usados ​​para telemedicina e monitoramento de pacientes internados. Por exemplo, esses dispositivos monitoram a pressão arterial, temperatura, glicose, nível de oxigênio, etc.

2- Dispositivos de IoT médicos implantados 

Os dispositivos implantados substituem uma estrutura biológica ausente ou suportam uma estrutura biológica danificada, ou melhoram uma estrutura biológica existente. Esta categoria inclui bombas de infusão implantáveis ​​e outros dispositivos de administração de medicamentos, marcapassos cardíacos, sistemas neuroestimuladores implantáveis ​​e monitores de glicose.

3- Dispositivos de IoT médicos fixos 

Há uma ampla gama de equipamentos médicos fixos, que podem ser usados ​​para várias aplicações, como operações clínicas (dispositivos cirúrgicos) e imagens conectadas (máquinas de raios-X e máquinas de ressonância magnética), testes de laboratório, monitoramento de pacientes, administração de medicamentos, etc.

O número crescente de vários dispositivos médicos conectados transforma a forma como os serviços de saúde são prestados. A telemedicina, ou telessaúde, tornou a prestação de cuidados mais dinâmica e mais centrada no paciente. 

Conforme o número de dispositivos médicos conectados aumenta, cresce também a quantidade de dados que eles geram. As redes e dispositivos de saúde estão se tornando mais inteligentes e complexos e exigem tecnologias de conectividade eficientes, convenientes e seguras.

Confira alguns exemplos de IoT na saúde para entender na prática como os aplicativos de IoT podem funcionar. 

Tecnologias de conectividade mais populares 

De acordo com a pesquisa Grand View, as tecnologias de conectividade mais populares usadas por instalações médicas para conectar vários dispositivos são:

  • Wi-fi
  • Bluetooth de baixa energia
  • ZigBee
  • NFC
  • Celular
  • Satélite

Obviamente, ao utilizar a Internet das Coisas, as instalações de saúde devem cumprir as regras de privacidade e segurança, ainda mais agora com as mudanças trazidas pela LGPD na saúde. Normalmente, os departamentos de TI de hospitais e centros médicos usam métodos seguros para enviar dados médicos para a nuvem, mas ainda há desafios a superar.

Como funcionam os dispositivos conectados? 

Na Internet das Coisas, todas as coisas conectadas à Internet podem ser divididas em 3 categorias, cada uma com suas próprias vantagens:

Primeira categoria: coisas que coletam informações e enviam 

Esses sensores podem ser de temperatura, movimento, eletricidade ou assim por diante. Ao usar uma conexão com a Internet, esses sensores nos permitem coletar informações do ambiente, o que por sua vez nos permite tomar decisões mais inteligentes. Isso otimiza as operações de manutenção e evita despesas inesperadas.

Segunda categoria: coisas que recebem informações e as tratam 

Estamos todos muito familiarizados com esse tipo de objeto em nossa vida diária. Por exemplo, quando um documento é enviado para uma impressora e é impresso. Ou quando a televisão recebe um sinal do controle remoto e o liga. Os exemplos são infinitos.

Todo o potencial da Internet das Coisas está onde os objetos conseguem combinar essas duas ações. Objetos que podem coletar informações e enviá-las, mas também recebê-las e agir em conformidade.

Terceira categoria: fazer ambos, a finalidade de um sistema IoT

Vejamos como exemplo um sensor de temperatura ferroviária. Os dados coletados permitem que o operador saiba quando realizar as operações de manutenção para aquecer os trilhos durante os períodos de congelamento. No entanto, atingir o limite de temperatura pode ativar automaticamente os aquecedores elétricos de trilhos, sem a necessidade de intervenção humana.

Para ir mais longe, se os aquecedores elétricos receberem informações meteorológicas pela Internet, eles poderão prever as condições de congelamento. Então intervenções de manutenção podem ser programadas antes que haja uma falha de serviço.

E agora, graças ao aprendizado de máquina e à inteligência artificial, as informações coletadas por uma infinidade de sensores podem ser processadas por sistemas de computador que permitirão a realização de uma manutenção preditiva real.

Agora que você já está mais bem informado sobre o assunto, é hora de você começar a pensar em melhorias e dispositivos de IoT para o seu hospital. Se quiser conversar sobre suas possibilidades, entre em contato.

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *