Como a vacina funciona e como protege indivíduos?

As vacinas reduzem os riscos de contrair uma doença, trabalhando com as defesas naturais do seu corpo para construir proteção. Quando você recebe uma vacina, seu sistema imunológico responde dessa forma:

  1. Reconhece o germe invasor, como o vírus ou a bactéria.
  2. Produz anticorpos. Os anticorpos são proteínas produzidas naturalmente pelo sistema imunológico para combater doenças.
  3. Lembra da doença e como combatê-la. Se você for exposto ao germe no futuro, seu sistema imunológico pode destruí-lo rapidamente antes que você se sinta mal.

A vacina é, portanto, uma forma segura e inteligente de produzir uma resposta imunológica no corpo, sem causar doenças.

Nosso sistema imunológico é projetado para lembrar. Depois de expostos a uma ou mais doses de uma vacina, normalmente permanecemos protegidos contra uma doença por anos, décadas ou mesmo por toda a vida. É isso que torna as vacinas tão eficazes. Em vez de tratar uma doença depois que ela ocorre, as vacinas nos previnem, em primeiro lugar, de adoecer.

Como a vacina protege indivíduos e comunidades? 

As vacinas trabalham treinando e preparando as defesas naturais do corpo – o sistema imunológico – para reconhecer e combater vírus e bactérias. Se o corpo for exposto a esses patógenos causadores de doenças mais tarde, ele estará pronto para destruí-los rapidamente – o que previne doenças.

Quando uma pessoa é vacinada contra uma doença, o risco de infecção também é reduzido – portanto, é menos provável que ela transmita o vírus ou a bactéria a outras pessoas. À medida que mais pessoas em uma comunidade são vacinadas, menos pessoas permanecem vulneráveis ​​e há menos possibilidade de uma pessoa infectada transmitir o patógeno a outra pessoa.

Reduzir a possibilidade de um patógeno circular na comunidade protege aqueles que não podem ser vacinados (devido a problemas de saúde, como alergias ou dificuldade de acesso ou idade) da doença.

O que é a imunidade de rebanho? 

‘Imunidade de rebanho’, também conhecida como ‘imunidade populacional’, é a proteção indireta contra uma doença infecciosa que ocorre quando a imunidade se desenvolve em uma população por meio de vacinação ou infecção prévia. A imunidade do rebanho não significa que os indivíduos não vacinados ou que não foram infectados anteriormente sejam imunes. Em vez disso, a imunidade de rebanho existe quando indivíduos que não são imunes, mas vivem em uma comunidade com uma alta proporção de imunidade, têm um risco reduzido de doença em comparação com indivíduos não imunes que vivem em uma comunidade com uma pequena proporção de imunidade.

Em comunidades com alta imunidade, as pessoas não imunes têm um risco menor de doença do que teriam, mas seu risco reduzido resulta da imunidade das pessoas na comunidade em que vivem (ou seja, imunidade de rebanho), não por serem pessoalmente imunes. Mesmo depois que a imunidade de rebanho é alcançada pela primeira vez e é observado um risco reduzido de doença entre as pessoas não imunizadas, esse risco continuará caindo se a cobertura de vacinação continuar a aumentar. Quando a cobertura da vacina é muito alta, o risco de doença entre aqueles que não estão imunes pode se tornar semelhante ao daqueles que são verdadeiramente imunes.

A OMS apoia a obtenção da ‘imunidade de rebanho’ por meio da vacinação, não permitindo que uma doença se espalhe pela população, pois isso resultaria em aumento de casos e mortes desnecessárias.

Para a COVID-19, uma nova doença que causa uma pandemia global, as vacinas desenvolvidas tem demonstrado segurança e eficácia contra a doença. A proporção da população que deve ser vacinada contra COVID-19 para começar a induzir imunidade de rebanho não é conhecida. Esta é uma importante área de pesquisa e provavelmente irá variar de acordo com a comunidade, a vacina, as populações priorizadas para vacinação e outros fatores.

A imunidade do rebanho é um atributo importante das vacinas contra poliomielite, rotavírus, pneumococo, Haemophilus influenzae tipo B, febre amarela, meningococo e várias outras doenças que podem ser evitadas através das vacinas. No entanto, é uma abordagem que só funciona para doenças com disseminação de pessoa para pessoa. Por exemplo, o tétano é contraído por bactérias no meio ambiente, não por outras pessoas, então aqueles que não estão imunizados não estão protegidos da doença, mesmo que a maior parte do restante da comunidade seja vacinada.

Conheça o I-Vigilant para monitoramento de temperatura de vacinas.

 

Fonte: Organização Mundial da Saúde

https://bit.ly/2XPy1aR

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *